Nota de Esclarecimento


Em nome dos clientes, sócios e colaboradores do Grupo Santa Madalena Assistência Funeral, com 80 anos de tradição, esclarecemos que fomos surpreendidos com a notícia de envolvimento em esquema de corrupção no Instituto Médico Legal (IML) de Campo Grande, porque nunca fomos envolvidos em inquérito policial algum, nem tampouco fomos convocados para prestar esclarecimentos acerca de fatos dessa natureza. A Funerária Santa Madalena foi mencionada provavelmente porque é a mais antiga e famosa funerária do bairro. Nossos profissionais Agentes funerários habilitados estão indignados com sua comparação com agentes clandestinos, os chamados “papa-defunto”. Seguimos estritamente um protocolo de atendimento às famílias e acatamos somente o conteúdo de Declaração de óbito assinada por Médico inscrito no Conselho Regional de Medicina (CRM). E são raros os casos de atendimento de famílias cujos entes queridos tiveram “morte violenta”. O compliance da Funerária Santa Madalena é realizado pela Montax Inteligência, e a principal recomendação de segurança corporativa é treinar os empregados e orientá-los a não oferecer nem aceitar vantagem indevida no relacionamento com os agentes do Estado. Nesse ponto, aproveitamos para destacar a necessidade de aperfeiçoamento do “serviço de verificação de óbito” por um IML exclusivo para casos de morte natural, e que aderimos com entusiasmo o projeto “Sala de Assistência Funeral” da Prefeitura do Município do Rio de Janeiro, que estabelece escalas de plantões para cada funerária em em cada um dos hospitais municipais, impedindo a atuação de agentes irregulares. Como permissionária nº 19, a Funerária Santa Madalena está nesse momento de plantão no Hospital Miguel Couto. Reforçamos nossa indignação pelas notícias de suposta prática de corrupção. Sábado, 10 de Novembro de 2018. Grupo Santa Madalena Assistência Funeral Célia Domingos de Azevedo, diretora